Jornal do Commercio

contratações temporárias

Mais de 1.500 contratações de Abreu e Lima foram ilegais, segundo TCE

Segundo o TCE, contratos de profissionais como professores e médicos foram feitos sem seleção simplificada

JC Online

Publicado em

Segunda Câmara do TCE julgou ilegal um processo que analisou 1.591 contratações temporárias
Segunda Câmara do TCE julgou ilegal um processo que analisou 1.591 contratações temporárias
Foto: Reprodução/ Google Street View

O Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE) divulgou, nesta sexta-feira (23), que a Segunda Câmara julgou ilegal, nessa quinta-feira (22), um processo que analisou 1.591 contratações temporárias feitas pela Prefeitura de Abreu e Lima no ano passado.

Segundo o TCE, contratos de profissionais como professores, médicos, motoristas, zeladores, eletricistas e serviços gerais foram feitos sem seleção simplificada, o que descumpre os princípios constitucionais da impessoalidade e da isonomia. Além disso, de acordo com o órgão, não foram apresentados fundamentos que justificassem as admissões diante do excepcional interesse público.

Lei de Responsabilidade Fiscal

De acordo com o TCE, a prefeitura também não poderia contratar os profissionais tendo em vista os limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Nos quadrimestres de referência, 3º de 2016 e, 1º e 2º de 2017, os gastos com pessoal eram de 53,93%, 54,25% e 54,55%, respectivamente, quando deveria ter no máximo o limite prudencial de 51,30%, para poder executar novas contratações.


A equipe de auditoria apurou ainda que vários servidores acumulavam ilegalmente dentro da própria prefeitura.

Ilegalidade das nomeações

Relator do processo, o conselheiro substituto Adriano Cisneiros votou pela Ilegalidade das nomeações, negando os registros dos respectivos atos dos servidores, nos termos do art. 42 da Lei Orgânica do Tribuna.

O prefeito Marcos José da Silva recebeu uma multa no valor de 30% dos seus vencimentos. Também foi determinado ao atual gestor municipal que fizesse um levantamento da necessidade de pessoal para a execução dos serviços ordinários da administração, para fins de realização de concurso público

LEIA TAMBÉM


MAIS LIDAS

Quer receber notícias pelo whatsapp? Privacidade