Jornal do Commercio

DELAÇÃO PREMIADA

JBS pagou 150 milhões de dólares a Dilma e Lula em conta no exterior

Esquema sucessivo de pagamento de propina era feito por meio de negociações no BNDES e no fundo Petros

JC Online

Publicado em

Os pagamentos aos ex-presidentes eram feitos sucessivamente num esquema de propina no BNDES e do esquema-gêmeo, que funcionava no âmbito dos fundos Petros e FUNCEF
Os pagamentos aos ex-presidentes eram feitos sucessivamente num esquema de propina no BNDES e do esquema-gêmeo, que funcionava no âmbito dos fundos Petros e FUNCEF
Foto: AFP

No documento de delação premiada firmada entre a PGR e o dono da JBS, Joesley Batista, consta o relato do empresário sobre pagamentos aos ex-presidentes Dilma e Lula por meio de contas abertas no exterior. Segundo o relato, Batista teria pago, por meio de Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda do PT, US$ 80 milhões aos petistas, que tinham conhecimento do esquema de propina.

>>> CONFIRA DOCUMENTO NA ÍNTEGRA

Ainda conforme a delação, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff tinham conhecimento dos pagamentos, frutos de um esquema dentro do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O pagamento a Lula teria sido feito em 2009, por conta da aquisição, no mês de dezembro, pelo BNDES de debêntures da JBS, convertidas em ações no valor de US$ 2 bilhões. O negócio, que teve ação direta do então ministro da Fazenda, originou o pagamento de US$ 50 milhões ao ex-presidente Lula.

Já em 2010, Guido pediu para que Joesley abrisse uma nova conta no exterior, conta essa que passaria a ser utilizada por Rousseff. O negócio desta vez que originaria o pagamento da propina foi um financiamento de R$ 2 bilhões para a construção da planta de celulose da Eldorado, em 2011.

publicidade

Guido Mantega interveio mais uma vez junto a Luciano Coutinho para que a negociação desse certo. O dono da JBS teria depositado então US$ 30 milhões numa nova conta, essa direcionada para Dilma. Segundo o documento, os dois petistas tinham conhecimento do esquema.

Os pagamentos aos ex-presidentes eram feitos sucessivamente num esquema de propina no BNDES e do esquema-gêmeo, que funcionava no âmbito dos fundos Petros e FUNCEF. Em 2014, o saldo das duas contas já somavam US$ 150 milhões.

Repasse a políticos e ao PMDB

A partir de julho de 2014, Guido começou a atuar no redirecionamento dos pagamentos a uma lista prévia de políticos e a membros do PMDB. No mesmo ano, Mantega avisou a Lula sobre o alto valor de contribuições oficiais por parte da JBS. O Montante já chegava a casa dos R$ 300 milhões.

LEIA TAMBÉM


MAIS LIDAS