Jornal do Commercio

CARNE FRACA

Consumidores com receio de comprar carne no Recife

A falta de informação sobre quais marcas estão comprometidas causa dúvidas na hora da compra

JC Online

Publicado em

Nas gôndolas dos supermercados do Recife produtos investigados pela PF continuam expostos
Nas gôndolas dos supermercados do Recife produtos investigados pela PF continuam expostos
Foto: Marcela Balbino/JC

“Alô, qual a carne posso levar? Qual a marca que disseram que estava estragada?”. O diálogo por telefone era entre uma consumidora e o esposo em um supermercado no Recife. As dúvidas com a falta de informaçãos transpareciam na hora da escolha e ela acabou levando peixe ao invés da carne vermelha.

O sentimento é reflexo imediato da operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal anteontem, que atingiu os maiores frigoríficos do País e levantou suspeitas sobre o pagamento de propina a fiscais do Ministério da Agricultura para liberar produtos estragados e com certificados sanitários adulterados.

A reportagem do JC percorreu três supermercados de redes diferentes e os produtos das marcas envolvidas na investigação – JBS, dona da marcas Friboi, Seara e Big Frango, e a BRF, à frente da Sadia e da Perdigão – continuavam expostos nas gôndolas.

Segundo os gerentes das lojas, que conversaram com a reportagem sob a condição de não terem os nomes divulgados, não foi repassada nenhuma orientação sobre a retirada dos produtos. Eles acreditam que a fiscalização dos órgãos de controle deve aumentar a partir da segunda-feira.

No setor de embutidos a desconfiança é ainda maior e alguns clientes faziam várias perguntas para os funcionários antes da compra. A aposentada Severina Alves, 64 anos, preferiu não arriscar e levou peixe ao invés da charque.

“Eu fiquei com medo, vou pensar antes e depois vou comprar. Vou ver quais estão liberadas. Por ora, comprei peixes e ovos. Fiquei com medo ao ver a cor da carne, a qualidade”, disse ela, acrescentando que uma das favoritas na hora da feira era a charque da Friboi.

publicidade

A professora Hilda Santos, 59 anos, percorria o setor de frios de um supermercado na Zona Norte e olhava os preços e as marcas dos itens. Ela passou pelas carnes, pegou e preferiu levar o frango.

“Não sou a maior fã de carne e agora é que vou ficar um tempo sem comprar mesmo. São muitas marcas envolvidas e, às vezes, você compra e não vê claro o nome da empresa”, afirmou. “É um absurdo, indiretamente eles são assassinos por fazerem isso. Eles brincam com a saúde dos outros”, criticou.

A solução encontrada pela administradora Fátima Cabral, 60 anos, foi procurar uma marca que não estava citada na investigação da Polícia Federal. “Vi a lista e tentei comprar uma que não tivesse sido citada, porque não quero deixar de comer carne”, comentou. 

CADÊ INFORMAÇÃO?

A falta de explicações sobre as marcas investigadas e os malefícios que podem trazer à saúde do consumidor também se estende para os órgãos de controle. Nos sites dos órgãos nacionais de fiscalização, como o da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), não há qualquer referência sobre os casos.

A operação Carne Fraca investiga 30 empresas, incluindo fornecedoras de grandes frigoríficos. Suspeita-se que elas estavam envolvidas em organização criminosa formada por fiscais agropecuários federais e as próprias empresas que, entre outros atos ilícitos, colocam à venda nas gôndolas dos supermercados carnes podres maquiadas com ácido ascórbico, um produto potencialmente cancerígeno.

No âmbito nacional, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) orientou seus associados a dar prioridade à “qualidade e à segurança na comercialização dos alimentos vendidos em todas as lojas do Brasil”.

LEIA TAMBÉM


MAIS LIDAS