Jornal do Commercio

Operação

Carne fraca: Europa suspende importação de empresas investigadas

Decisão ocorreu logo após reunião do presidente Temer com embaixadores

JC Online

Publicado em

Empresas brasileiras investigadas estão proibidas de exportar carne para a Europa
Empresas brasileiras investigadas estão proibidas de exportar carne para a Europa
Foto: Pixabay/reprodução

*Atualizada às 12h06 com novosa países que decidiram suspender importações

As 30 empresas investigadas na Operação Carne Fraca por suspeita de participação em esquemas de corrupção para liberar a venda de carne estragada não poderão mais exportar seus produtos para a Europa. Decisão foi tomada nesta segunda-feira (20) pela União Europeia. Mais cedo, a Coreia do Sul já havia decidido proibir temporariamente a venda de frango da BRF - detentora de marcas como Perdigão e Sadia. O Chile e a China também tomaram a mesma decisão para proteger seus consumidores. 

A suspensão aconteceu logo após o presidente Michel Temer ter se reunido com embaixadores dos 33 países que mais exportam carne brasileira no badalado restaurante brasiliense Steak Bull, que serve apenas carne importada. Na ocasião, o presidente apresentou números para mostrar que os casos investigados pela Polícia Federal são pontuais e não comprometem o sistema brasileiro de fiscalização e controle de qualidade. 

De acordo com reclaração realizada pelo ministro da Agricultura, Pecuária e abastecimento, Blairo Maggi, a Polícia Federal comete erros técnicos no processo de investigação, pois considera que alguns frigoríficos adotaram práticas proibidas e que são, na verdade, permitidas pela regulamentação do setor.

publicidade

Carne Fraca

A operação Carne Fraca foi deflagrada na sexta-feira (18)  e revelou que cerca de 30 empresas do setor, incluindo a BRF e a JBS, adulteravam a carne que vendiam nos mercados nacional e internacional. 

De acordo com a PF, auditores fiscais do ministério da Agricultura recebiam propina, em dinheiro, lotes de carne ou presentes, para fazer vista grossa nas fiscalizações e liberar a venda de carne irregular. 

LEIA TAMBÉM


MAIS LIDAS