Jornal do Commercio

REVOLTA

Família de jovem baleado em operação da PM vai entrar na Justiça

Edvaldo Alves da Silva foi levado em estado grave para o Hospital Miguel Arraes, em Paulista

Editoria de Cidades

Publicado em

Irmão da vítima fez apelo por doações de sangue
Irmão da vítima fez apelo por doações de sangue
Foto: Bobby Fabisak/ JC Imagem

Um misto de tristeza e revolta. As imagens que chocaram internautas são motivo de dor para a família de Edvaldo Alves da Silva, de 22 anos, baleado por um policial militar durante um protesto por segurança em Itambé, na Zona da Mata, na tarde dessa sexta-feira (17). O jovem continua em estado grave na UTI do Hospital Miguel Arraes, em Paulista, e precisa de doação de sangue para realizar um segundo procedimento cirúrgico. Com as imagens gravadas no momento do disparo, a família pretende entrar da Justiça já na segunda-feira (20). 

"Eles nos procuraram, pediram pra deixar pra lá, mas nós vamos procurar, sim, a Justiça. Já entramos em contato com um advogado, que vai chegar ao Recife na segunda-feira. Isso é um absurdo, trataram meu irmão como cachorro. Mexeram com um homem inocente", afirmou o irmão da vítima, José Roberto da Silva Santos, de 27 anos. Segundo ele, Edvaldo mora com a mãe e costumava trabalhar como marceneiro, mas estava desempregado. "Ele foi até lá ontem para pedir segurança, porque a gente não aguenta mais tanta violência na cidade. A polícia, que deveria proteger as pessoas, atirou em um inocente."

Ainda de acordo com o irmão, o estado de saúde de Edvaldo é gravíssimo. "Só Jesus pra salvar ele", lamentou. A família agora está atrás de doadores de sangue, já que o jovem deve passar por uma segunda cirurgia de emergência. Na sexta-feira, ele foi levado ao Hospital Municipal de Itambé e tranferido para o Miguel Arraes, onde passou por um procedimento cirúrgico para a retirada da bala. Segundo a assessoria de imprensa da unidade de saúde, a situação ainda é grave.  

publicidade

PROTESTO

Edvaldo estava protestando ao lado de outros moradores do município na tarde da sexta-feira, quando foi vítima de um disparo de arma de fogo. Segundo uma testemunha, o ato era pacífico e os manifestantes estavam à espera da chegada da imprensa. Os policiais chegaram e teriam ordenado o fim da manifestação. No vídeo que repercutiu na internet, é possível ver o jovem falando com uma mulher que, segundo uma testemunha, que preferiu não se identificar, estava com medo das ameaças da polícia e queria ir embora. Edvaldo se negou a sair e, neste momento, um policial aparece nas imagens perguntando: "é esse que vai levar o tiro primeiro?". Em seguida, outro policial efetua o disparo. 

A vítima ainda é arrastada pelo asfalto e agredida por um policial militar. Em nota, a Secretaria de Defesa Social (SDS) afirmou que determinou abertura de inquérito policial e procedimento administrativo para apurar a ocorrência. O órgão não soube informar se o policial militar foi afastado das atividades enquanto a investigação acontece. Procurada, a Polícia Militar (PM) até às 18h não tinha conseguido contato com o comando do batalhão. 

LEIA TAMBÉM


MAIS LIDAS